Mas… Por que, mamãe? Por que, papai? Você já passou ou ouviu falar da fase dos porquês, que toda criança vivencia? Pois bem, essa fase é muito importante para o desenvolvimento do tão falado pensamento crítico. Pensamento crítico acontece quando a criança usa o seu conhecimento prévio e sua experiência para construir mais e novos conhecimentos. Ele não trata de respostas, mas de perguntas e da geração de novas e mais instigantes perguntas a partir de respostas. Quando a criança exercita o pensamento crítico, ela se apropria de seu próprio pensamento, passa a conhecê-lo melhor e a “brincar e experimentar” com ele. Como assim?  

Pois bem, crianças que conversam com seus pais sobre contextos diversos e se sentem seguras e estimuladas a fazer perguntas, elas tendem a desenvolver maior capacidade para comparar, contrastar, explicar o porquê das coisas, avaliar situações e ter opiniões próprias, entender perspectivas diferentes, ter maior facilidade para prever situações e problemas, e ter soluções mais criativas para resolvê-los. Nas conversas simples do dia a dia, as crianças podem ser instigadas a querer saber mais. Esse querer saber mais sempre vem acompanhado por perguntas e interesse curioso. A curiosidade pode trazer a criatividade para campo, quando a criança começa a pensar em diferentes possibilidades e contextos. Por exemplo, quando uma criança pergunta como ou quem chegou à conclusão de que a cor vermelha, num sinal de trânsito, significava “pare”. E se fosse outra cor? Como as coisas funcionariam? Essa é uma situação exemplo. Em que outras você consegue pensar? 

Epa! Aí eu já estou exercitando seu pensamento crítico. Estou convidando você a pensar fora da caixa, avaliar situações, resolver problemas, prever soluções e tentar explicá-las. Essas são habilidades desenvolvidas pelo pensamento crítico. E elas são super importantes pra vida! Resolver problemas, avaliar, prever, explicar… Você se imagina viver sem esses verbos? Quando você acende a luz na sua casa e percebe que tem uma lâmpada que não está funcionando, o que você faz? Você pensa: tenho que trocar. Esse simples pensamento exigiu que você identificasse o problema, o avaliasse para buscar soluções, fizesse a previsão do resultado pós-solução, para que ficasse satisfeito com a ação que você tomaria para resolver a situação. Você usou o pensamento crítico! 

Agora, imagina que maravilha poder vivenciar isso em uma sala de aula! Unir as possibilidades de desenvolver o pensamento crítico que já acontecem em casa, com a chance de estruturar mais essas oportunidades através da parceria com a escola! Pesquisas afirmam que o pensamento crítico aumenta a motivação, ajuda o aprendente a lembrar o que aprendeu, faz com que ele busque as respostas junto com a sua turma e seu professor mais do que esperar recebê-las prontas e de forma rápida. Quando o pensamento crítico faz parte da cultura e da rotina da criança, ela usa mais o que aprende para construir mais conhecimento e se apropria dele com maior segurança e confiança. A aprendizagem significativa encontra terreno fértil para florescer.  

Por quê?! Porque pensar criticamente é mais sobre as perguntas do que sobre as respostas, é sobre fazer sentido e entender de verdade. Quando eu entendo porque eu vivencio, eu não esqueço. Quando eu não esqueço, eu sei que aquele saber faz parte de mim, então, eu posso usá-lo como base para a construção de outros saberes, experimentar. Plantar as sementes na minha mente e deixar o jardim florescer…  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu